sábado, 19 de janeiro de 2019

Pitomba Amarela da Bahia ( Eugenia luschnathiana )

PITOMBA AMARELA da BAHIA

( Eugenia luschnathiana ) - RNC 35197


Nativa da Zona da Mata no Nordeste brasileiro, a Pitomba Amarela da Bahia é uma arvoreta que produz grande quantidade de frutos amarelo alaranjados, com polpa carnosa e suculenta. De sabor doce com uma leve acidez no final, são bastante agradáveis. Muito popular nas áreas onde é nativa, seus frutos podem ser consumidos in-natura, ou na forma de sucos, geleias, sorvetes e caipirinhas. Fruta rica em Vitamina C.

Planta de pequeno porte e de crescimento moderado, quando cultivada geralmente não passa de 5 ou 6 metros de altura. Além da bela folhagem, produz linda florada de cor branca. Seus frutos amadurecem no período de outubro a dezembro e as vezes ocorre outras frutificações no período de verão. Pode ser facilmente cultivada em vasos ou em pequenos espaços.

Também é uma o boa opção de frutífera para uso na arborização urbana ou para bonsais. De fácil cultivo, gosta de solos férteis e úmidos, desde que haja boa drenagem. As mudas começam a frutificar em 2 a 3 anos após o plantio.

Mudas desta espécie são comercializadas pela Ciprest. www.ciprest.com.br

Veja mais fotos abaixo:


Detalhe dos frutos

Detalhe dos frutos

Detalhe dos frutos

Detalhe dos frutos na planta

Planta cultivada em vaso e frutificando

Detalhe dos frutos na planta cultivada em vaso

Planta cultivada em vaso e carregada de frutos

Detalhe de galho envergando com o peso dos frutos, de uma planta cultivada em vaso

Tamanho dos frutos

Detalhe de uma muda no Viveiro Ciprest em Limeira com altura aproximada de 50 cm já florescendo

Detalhe dos frutos



quinta-feira, 17 de janeiro de 2019

Araticum do Mato ou do Campo ( Annona sylvatica )

ARATICUM do MATO ou do CAMPO

( Annona sylvatica ) - RNC 25401


Nativa da Mata Atlântica e das restingas litorâneas de Pernambuco até o Rio Grande do Sul, o Araticum do Mato, também conhecido como Cortiça Amarela, é uma árvore de pequeno a médio porte, que produz grande quantidade de frutos amarelos no período de Janeiro a abril.

Seus frutos de casca inicialmente amarela viva, acabam escurecendo em poucos minutos após a colheita, mas sem nenhum comprometimento da polpa para consumo, sendo que esta é doce e suculenta, de ótimo sabor. Podem ser consumidos in-natura ou em sucos.

Não passando de 6 a 8 metros de altura, pode ser cultivado em pomares e quintais, bem como utilizado na arborização urbana ou para sombrear estacionamentos, devido aos seus galhos serem firmes e não se quebrarem facilmente. Também é uma espécie indispensável em projetos de reflorestamentos e de recuperação ambiental de áreas degradas.

Planta de fácil cultivo, gosta solos férteis e úmidos, com boa drenagem. Deve ser plantada a pleno sol ou meia sombra. As mudas começam a frutificar em 2 a 3 anos após o plantio.

Mudas desta espécie são comercializadas pela Ciprest. www.ciprest.com.br

Veja mais fotos abaixo:


 Detalhe dos frutos

  Detalhe dos frutos

 Detalhe do fruto cortado

  Detalhe do fruto cortado

  Detalhe dos frutos maduros

 Detalhe de uma planta com cerca de 2 metros de altura já produzindo frutos

 Detalhe da bela folhagem do Araticum do Mato

 Detalhe dos frutos ainda verdes na planta

 Detalhe do fruto maduro na planta

 Tamanho dos frutos em centímetros

 Tamanho dos frutos

 Tamanho dos frutos




quinta-feira, 10 de janeiro de 2019

Lichia Brewster ( Litchi chinensis )

LICHIA BREWSTER

( Litchi chinensis )


Segunda variedade de lichia mias cultivada no Brasil, a Lichia Brewster apresenta maturação precoce e produz frutos de tamanho médio a grande, e de casca vermelha e em pencas que chegam a ter até 20 frutos. Seus frutos são saborosos e de excelente sabor doce. Podem ser consumidos in-natura ou em sucos, sorvetes, conservas e doces. 

Planta de fácil cultivo, deve ser plantada a pleno sol. Gosta de solos férteis e úmidos, porém com boa drenagem. Mudas produzidas por alporquia começam a frutificar em 2 a 3 após após o plantio.

Mudas desta variedade são comercializadas sazonalmente pela Ciprest. www.ciprest.com.br

Veja mais fotos abaixo:


 Detalhe dos frutos

Detalhe dos frutos

Detalhe dos frutos

Tamanho dos frutos em centímetros


quarta-feira, 9 de janeiro de 2019

Resedá Branco ( Lagerstroemia indica )

RESEDÁ BRANCO

( Lagerstroemia indica )


Árvore ou arvoreta de pequeno porte nativa da Ásia, é uma das opções de árvores mais utilizadas na arborização urbana brasileira. Planta rústica, que aceita bem a poluição urbana e que não apresenta raízes agressivas para calçadas, além disso, possui copa redonda e compacta, que produz exuberante florada branca de grande destaque.

Planta muito ornamental, pode ser plantada isoladamente ou em conjuntos, e se for conduzido como arbusto, pode ser utilizado como cerca-viva ou como barreira visual. Seu tronco é muito bonito e ornamental.

De fácil cultivo, deve ser plantado a pleno sol. Aceita a maioria dos solos, desde que sejam férteis e com boa drenagem.

Mudas desta variedade são comercializadas pela Ciprest. www.ciprest.com.br

Veja mais fotos abaixo:


Detalhe da planta na arborização urbana

Detalhe da planta na arborização urbana

Detalhe da planta nova na arborização urbana já florescendo abundantemente

Detalhe da florada

Detalhe da planta na arborização urbana

Detalhe das flores

Resedá Branco utilizado junto com as demais cores na arborização urbana



domingo, 6 de janeiro de 2019

Árvore da Chuva ( Samanea saman )

ÁRVORE da CHUVA

( Samanea saman ) - RNC 25432


Nativa principalmente da região Amazônica e do Pantanal Mato-Grossense, e ocasionalmente encontrada na Mata Atlântica, a Árvore da Chuva é uma espécie de grande porte de copa majestosa e florada muito ornamental de cor rosa com tons de salmão e branco. Esta ocorre com grande ênfase durante o verão.

Apesar de ser nativa do Brasil, esta bela árvore é raramente conhecida da população nas áreas onde não se encontra nativa, e consequentemente, pouco plantada. Diferente de muitos países da Ásia e África, onde esta espécie foi introduzida no passado em tempos coloniais, e até os dias de hoje é amplamente utilizada para sombreamento de rebanhos e de culturas agrícolas que exigem sombra, bem como na arborização de alamedas e parques.

Seu nome popular "Árvore da Chuva" se originou na região amazônica, onde devido a grande umidade encontrada no ar após o períodos de chuva, esta acaba se acumulando nas folhas, flores desta árvore, sendo sugadas do solo pelas raízes e ocasionando o pingar de gotículas sob a copa da árvore por horas ou até mesmo dias, após a última chuva. Também fecha as folhas a noite, dias nublados e quando fecha durante um dia de sol, é sinal de muita chuva nos próximos dias.
Este fechar de folhas com tempo nublado ou chuvoso, aumenta a capacidade da planta de suportar ventos fortes, suportando até mesmo furacões

Árvore de grande porte, chega a ficar com até 30 metros de altura e com copa de grande diâmetro que fornece excelente sombra. Seu tronco é muito belo e ornamental. Planta rústica e de fácil cultivo, aceita a maioria dos solos. Tolera ate mesmo períodos de inundações sazonais, como as que ocorrem no Pantanal. Deve ser plantada a pleno sol. Suas raízes, na maioria são profundas, sendo excelente para em gramados.

Mudas desta espécie são comercializadas pela Ciprest. www.ciprest.com.br

Veja mais fotos abaixo:

Detalhe da florada

Detalhe da florada

Detalhe da florada

Detalhe da florada

Detalhe das flores

Detalhe das flores

Detalhe das flores

Detalhe da copa florida

Detalhe da copa florida

Detalhe de um exemplar florido na arborização urbana

Detalhe de um exemplar florido no Viveiro Ciprest em Limeira-SP, gigante com menos de 13 anos.

Detalhe do tronco

Detalhe do tronco

Uma Samânea gigante que serve de suporte para 3 casas no Filme Swiss Family Robson de 1.960. Localizada em Tobago, 11 ° 12′42,8 ″ N 60 ° 37′46,5 W W  

Resultado de imagem para samanea giant
Esta Samânea na Thailândia com copa gigante, mais de 60 metros de diâmetro.

Árvore da chuva
Samânea em São José dos Campos, consideradas uma das maiores do Brasil, com 40 metros de diâmetro.


Distribuição da espécie no mundo. Fonte www.discoverlife.org