terça-feira, 11 de maio de 2021

Espirradeira Vinho - Nerium oleander

 ESPIRRADEIRA VINHO

Nerium oleander - RNC 34693


Planta muito ornamental originária da região do Mediterrâneo, apresenta formato arbustivo ou de arvoreta. Produz grande quantidade de flores de cor vermelha escura (vinho) durante o período de primavera e verão. Uma boa opção para uso no paisagismo como arbusto, em cerca-vivas ou como planta de vaso. Também pode ser utilizada na arborização urbana, até mesmo sob fiação elétrica.


Espécie rústica de fácil cultivo, deve ser plantada a pleno sol. Pouco exigente em irrigação, suporta ventos e maresia. Aceita a maioria dos solos, menos os encharcados. Deve ser podada eventualmente para estimular a floração.


Mudas desta variedade são comercializadas pela Ciprest. www.ciprest.com.br


Veja mais fotos abaixo:


Detalhe da florada

Detalhe da florada

Detalhe das flores

Detalhe das flores

Detalhe da florada

Como arvoreta na arborização urbana

Como arvoreta na arborização urbana


segunda-feira, 10 de maio de 2021

Agulheiro ou Árvore Ninhal - Seguieria langsdorffii

 AGULHEIRO OU ÁRVORE NINHAL

Seguieria langsdorffii - RNC 25514


Planta espinhenta nativa da Mata Atlântica, quando cultivada fica em forma arbustiva ou de arvoreta, e quando encontrado nativo apresenta forma de árvore. Planta indispensável no reflorestamento de áreas degradadas, pois é uma das árvores preferidas dos pássaros para fazerem ninhos, devido aos grandes espinhos servirem de proteção contra predadores.


Floresce no período de setembro a janeiro. Planta rústica de fácil cultivo, aceita a maioria dos solos, menos os encharcados. Mudas desta espécie são comercializadas pela Ciprest. www.ciprest.com.br


Veja mais fotos abaixo:


Detalhe da florada

Detalhe da florada

Detalhe da florada

Detalhe das flores

Detalhe dos espinhos


segunda-feira, 12 de abril de 2021

Janaúba - Euphorbia umbellata

 JANAÚBA

Euphorbia umbellata Sin. Synadenium grantii


Planta arbustiva originária da África, apresenta diversas propriedades medicinais, que são amplamente utilizadas na medicina popular brasileira, principalmente no tratamento de alguns tipos de câncer. Vale sempre ressaltar que seu uso deve ser sob orientação médica, pois seu látex é tóxico.


Planta ornamental, pode ser cultivada em vasos ou utilizado em cerca-vivas. Espécie rústica de fácil cultivo, é muito resistente a seca. Planta de pequeno porte, geralmente não passa de 3 metros de altura. Sue crescimento pode ser controlado com podas.


Mudas desta espécie são comercializadas pela Ciprest sazonalmente. www.ciprest.com.br


Veja mais fotos abaixo:


Detalhe da planta

Detalhe da planta

Detalhe da florada

Detalhe da florada




sexta-feira, 9 de abril de 2021

Guabiroba Rupestre de Minas Gerais - Campomanesia rufa

 GUABIROBA RUPESTRE DE MINAS GERAIS

Campomanesia rufa


Espécie de guabiroba endêmica do Estado de Minas Gerais, encontra-se ameaçada de extinção. Ocorrendo com certa raridade na natureza, é encontrada principalmente em áreas de intensa atividade de mineração, como nos campos rupestres ferruginosos da região do Quadrilátero Ferrífero.


Produz grande quantidade de frutos de casca esverdeada, com polpa translucida doce e de excelente sabor. Ótima para consumo in-natura, ou na forma de sucos, geleias e sorvetes. Frutifica no período de fevereiro a março. Frutos duráveis por vários dias após colhidos, sendo uma característica rara entre as guabirobas.


Planta arbustiva de pequeno porte, geralmente não passa de 3 metros de altura. Muito ornamental, apresenta belo tronco cascudo e folhas grossas. Sua pequena florada branca atraem abelhas melíferas.


Pretendemos no futuro poder oferecer mudas desta espécie aos nossos clientes, para assim poder contribuir para sua preservação.


Obs.: A maioria das imagens desta postagem são do nosso amigo João Lobo, que contribuiu imensamente com suas fotos e com a permissão de utiliza-las. As demais imagens são com frutos cedidos por ele. Agradecemos muito pela contribuição.


Veja mais fotos abaixo:


Detalhe dos frutos

Detalhe dos frutos

Detalhe dos frutos cortados

Detalhe do fruto cortado

Detalhe dos frutos

Detalhe dos frutos após colheita

Tamanho dos frutos

Tamanho dos frutos

Detalhe dos frutos em centímetros

Detalhe das folhas

Detalhe da flor

Detalhe dos frutos na planta

Detalhe dos frutos na planta e de suas belas folhas

Detalhe dos frutos na planta

Detalhe do tronco

Detalhe dos frutos





quarta-feira, 7 de abril de 2021

Paineira Branca das Pedras - Ceiba erianthos

 PAINEIRA BRANCA DAS PEDRAS

Ceiba erianthos - RNC 23712


Também conhecida como Sumaúma-das-Pedras ou Paineira-da-Praia, é uma espécie de paineira encontrada nativa sobre afloramentos rochosos e nas restingas brasileiras. Caracteriza-se pelo formato esparramado de seu tronco e por suas raízes normalmente expostas.


Endêmica da região Nordeste e Sudeste do Brasil, ocorre principalmente no Estado do Espirito Santo. Árvore de médio porte, geralmente não passa de 10 metros de altura. Produz belíssima florada no período de abril a julho. Suas flores são perfumadas e apresentam cor branca-amarela quando parcialmente fechadas. Posteriormente adquire linda coloração branca com miolo vermelho-vinho e por fim quando passadas, adquirem uma coloração amarronzada e suas pétalas se curvam para trás. Diferente da maioria das paineiras, suas flores são aveludadas.


Muito ornamental, é uma excelente opção para uso no paisagismo. Árvore de rápido crescimento, apresenta tronco ornamental. Uma boa opção para bonsais, como visto no Blog do Chaddad.


Planta de fácil cultivo, deve ser plantada a pleno sol. Gosta de solos férteis e úmidos, com boa drenagem. Aceita também solos pedregosos ou arenosos.


O Viveiro Ciprest comercializa mudas desta espécie. www.ciprest.com.br


Veja mais fotos abaixo:


Detalhe das flores

Detalhe das flores e folhas

Detalhe inicial da flor branco-amarelado e das posteriores brancas com miolo vermelho-vinho

Detalhe das flores no estágio posterior quando começam a escurecer e enrolar as pétalas

Detalhe das flores no estágio posterior quando começam a escurecer e enrolar as pétalas

Detalhe das flores no último estágio quando amarronzadas e enroladas as pétalas

Detalhe da flor em seu último estágio quando totalmente escurecidas (Detalhe das pétalas aveludadas)

Detalhe das flores junto ao tronco no Viveiro Ciprest em Limeira-SP

Detalhe das flores e tamanho

Detalhe das flores e tamanho

Detalhe das flores junto ao tronco no Viveiro Ciprest em Limeira-SP

Detalhe do tronco da Paineira das Pedras no Viveiro Ciprest em Limeira-SP

Detalhe do tronco da Paineira das Pedras no Viveiro Ciprest em Limeira-SP

Detalhe de exemplar Paineira das Pedras que existiu no no Jardim Botânico Plantarum em Nova Odessa-SP no passado. Detalhe da planta com raízes superficiais

Detalhe de exemplar Paineira das Pedras que existiu no no Jardim Botânico Plantarum em Nova Odessa-SP no passado. Detalhe da planta com raízes superficiais

Uma das primeiras floradas da Paineira das Pedras no Viveiro Ciprest em Limeira-SP (2007)

Detalhe das flores junto ao tronco no Viveiro Ciprest em Limeira-SP